Por que os usuários do Windows 7 devem mudar para o Linux


Por que os usuários do Windows 7 devem mudar para o Linux

O fim do suporte ao Windows 7 deixa centenas de milhões de usuários de PC presos em um sistema não mantido, vulnerável a hacks, malware e vírus.

A Microsoft acredita que a atualização para o Windows 10 é a única alternativa real ao uso do sistema operacional agora inseguro - mas não é.

Os usuários que desejam evitar o Windows 10, sua interface confusa e seus tentáculos de coleta de dados podem fazê-lo facilmente e de graça.

Mas o Linux sofre com marketing ruim e não com produto ruim. Sem uma campanha de marketing multimilionária por aí promovendo um sabor específico do Linux, resta aos entusiastas “vender” cada sistema, geralmente por seus méritos técnicos - que é o que faz as coisas parecerem um pouco diferentes.

No entanto, os sistemas operacionais baseados em Linux e em 2020 (chamados de ‘distros’), como o Ubuntu e o Linux Mint, são muito fáceis de usar. Eles permitem que você continue fazendo praticamente tudo o que atualmente faz no Windows 7 com a mesma facilidade, mas com segurança primeiro.

E você realmente pode fazer praticamente qualquer coisa no Linux: navegar na web; produzir música; editar vídeos; desenvolver software; realizar pesquisas; jogar jogos de grandes nomes; converse com sua irmã que está viajando pelo mundo … Você entendeu a ideia.

Se você quiser se aprofundar no mecanismo no coração do seu computador - você pode. Mas se você estiver feliz em ficar no banco do passageiro, apreciando a vista, você pode.

Linux tem tudo a ver com escolha: sua escolha.

5 razões para mudar para o Linux

1. Mantido e Suportado

Windows 7 para Linux

As principais distribuições de Linux para desktops como Ubuntu, Fedora ou Linux Mint recebem suporte e atualizações de aplicativos, geralmente durante toda a vida do lançamento, e tudo de graça.

Isso geralmente inclui novos lançamentos de aplicativos principais (como navegadores da Web e clientes de email), além de correções de software e patches de kernel que melhoram o desempenho, a estabilidade e a segurança.

Os principais lançamentos importantes das distribuições Linux são lançados a cada dois anos e você tem a opção de atualizar para eles ou não.

Mas, diferentemente do Windows, onde uma “nova versão” geralmente envolve dores de cabeça, erros e reinicialização sem fim, as versões distro são mais parecidas com os ‘service packs’, pois não demoram muito para serem instaladas, não deixam o sistema lento e não mude drasticamente como tudo funciona.

De fato, as atualizações do Linux tendem a tornar seu sistema mais rápido, mais seguro e mais compatível - ganhe, ganhe!

2. Seguro

Windows 7 para Linux

Por padrão, o Linux é muito menos vulnerável a vírus e malware do que o Windows (especialmente versões sem patch como o Windows 7).

Tão seguro, de fato, que você não precisa executar software antivírus em sistemas Linux como Ubuntu ou Linux Mint.

Você pode instalar e executar um software antivírus para Linux, se desejar, e também pode ativar e configurar um firewall super seguro.

Mas você não precisa.

Quando são encontradas vulnerabilidades de segurança no kernel Linux ou no software crítico do sistema - nota: encontrada, mas raramente explorada - elas são corrigidas rapidamente, com uma atualização liberada para todos os usuários, o mais rápido possível, nas distribuições.

Não há espera e esperanças de que um patch apareça na próxima atualização gigante que está de alguma forma abaixo da linha, é só pegar.

Agora, isso não quer dizer que o Linux seja imune a falhas. Você deve sempre manter boas práticas de segurança. Mas algumas das tarefas básicas que você pode estar acostumado a executar no Windows 7 simplesmente não são necessárias aqui.

3. Instalação de aplicativo mais segura

Windows 7 para Linux As distros modernas do Linux vêm com uma variedade de software pré-instalado. Eles também oferecem acesso a aplicativos ainda mais (geralmente gratuitos) por meio de uma ferramenta de instalação de software ou gerenciador de pacotes dedicado.

Sim, você não precisa usar um navegador da Web para baixar um instalador de aplicativo de um site obscuro, verificar se há vírus, clicar duas vezes nele (esperando que não contenha spyware) e percorrer as intermináveis ​​caixas de diálogo do instalador.

Para instalar aplicativos no Ubuntu ou Linux Mint, use o aplicativo interno do Software Center, navegue por milhares e milhares de aplicativos gratuitos com base na categoria (por exemplo, escritório, música, vídeo, etc.) e, quando você vir um aplicativo, basta clicar no botão “instalar” para instalá-lo - tudo de graça, sem problemas!

Melhor ainda, as atualizações de aplicativos são instaladas juntamente com atualizações regulares do sistema e podem ser configuradas para atualizar automaticamente em segundo plano.

Os aplicativos disponíveis incluem coisas conhecidas como VLC, Steam, Thunderbird e Spotify. Porém, existem toneladas de aplicativos domésticos menos conhecidos (mas não menos brilhantes), como Rhythmbox, Cawbird e Geary, que dão ao software de código fechado uma corrida pelo seu dinheiro.

4. Controle, absoluto.

Windows 7 para Linux Há uma suposição de que, para “continuar” com o Linux, você precisa ser bastante técnico ou de alguma forma interessado no funcionamento interno de sistemas operacionais e computadores e assim por diante - mas esse não é o caso.

A “diferença” entre Windows e Linux é que o Linux oferece a você a escolha. Você pode abrir o capô para ter acesso ao “motor” embaixo, se desejar. Isso não significa que você precise ou precisará, mas a escolha está lá.

E essa palavra é importante, pois sua “escolha” se estende a praticamente todos os aspectos do sistema: você pode alterar, ajustar ou ajustar quase qualquer parte de um sistema Linux - do suporte de hardware à seleção de aplicativos, à aparência ou ao ambiente da área de trabalho. estabelecido.

Mais uma vez, e enfatizo: não pense que apenas porque a capacidade de fazer tudo isso está presente, é necessário. As configurações “padrão” do Ubuntu, Linux Mint e outros sistemas são projetadas para estar prontas para serem usadas, prontas para uso.

5. Atualizações do sistema

Windows 7 para Linux

As atualizações do sistema não parecem particularmente sensuais, mas para os usuários do Windows a maneira como esse esforço é abordado pode parecer bastante estranha.

Veja, as atualizações da distribuição Linux (geralmente) não diminuem a velocidade do seu sistema ou ocupam muito mais espaço, nem o impedem de reiniciar o sistema para instalá-las.

De fato, as atualizações do sistema no Linux tendem a liberar espaço, tornar seu sistema mais rápido e, as atualizações do kernel de lado, raramente exigem uma reinicialização (embora o Ubuntu LivePatch permita atualizações do kernel sem reinicialização).

Novas versões Ubuntu e Linux Mint são lançadas frequentemente. Porém, diferentemente das novas versões do Windows, que tendem a mudar drasticamente, as atualizações do Linux são mais como “service packs”.

O Ubuntu lança novas versões a cada 6 meses, mas se você estiver usando a versão LTS, precisará atualizar apenas uma vez a cada 3 a 5 anos, dependendo da sua preferência.

Atualizações e upgrades funcionam da mesma maneira; você é notificado sobre eles, clica em um botão e tudo acontece em segundo plano, raramente com qualquer entrada necessária.

Existem várias outras razões válidas pelas quais os usuários devem mudar para o Linux - então compartilhe seu discurso de troca persuasivo na seção de comentários!

Via OMG Ubuntu

comments powered by Disqus