Telescópio Hubble vê um rosto macabro nas profundezas do espaço


Telescópio Hubble vê um rosto macabro nas profundezas do espaço

Um semblante fantasmagórico está nos encarando através de 704 milhões de anos-luz de espaço interestelar, no que é, na verdade, uma colisão galáctica de proporções épicas.

Com galáxias parecendo olhos e anéis de gás e poeira parecendo o rosto, o sistema Arp-Madore apresenta uma aparência verdadeiramente assustadora. O Telescópio Espacial Hubble da NASA/ESA capturou essa imagem impressionante em junho, mas o pessoal do Hubble divulgou esta semana em homenagem ao Halloween e a todas as coisas assustadoras.

Esse sistema é cientificamente interessante, além de sua capacidade de induzir a pareidólia – quando vemos rostos em objetos inanimados.

Essas duas galáxias estão se dirigindo diretamente uma para a outra em uma colisão intergaláctica em câmera lenta, em vez de um golpe de relance. O sistema Arp-Madore também é legal porque as duas galáxias são aproximadamente do mesmo tamanho. A maioria das colisões galácticas envolve um objeto maior que substitui um menor, de acordo com o Hubble.

Também estamos vendo essa colisão em um momento realmente fortuito. As forças envolvidas na colisão puxaram o gás e a poeira para fora, formando uma estrutura temporária em forma de anel. Isso, por sua vez, pode enganar nossos olhos para interpretar as formas como testa, linha da mandíbula e nariz. E é claro que as duas galáxias são os “olhos”.

Esse anel durará 100 milhões de anos (o que não é muito tempo em termos cosmológicos), e as galáxias se fundirão completamente em cerca de um a dois bilhões de anos, após os quais o anel terá desaparecido por muito tempo.

As colisões galácticas são bastante comuns, e nós mesmos estamos preparados para uma conflagração celestial semelhante. Em cerca de 4 bilhões de anos, a Via Láctea colidirá com a galáxia de Andrômeda, em um evento que alterará fundamentalmente a forma de ambas, à medida que as duas galáxias se fundirão para se tornar uma.

Via Gizmodo

comments powered by Disqus