Número de empresas que pagam resgate em casos de ransomware aumenta, conclui estudo


Número de empresas que pagam resgate em casos de ransomware aumenta, conclui estudo

Estudo publicado pela CrowdStrike identificou que o número de empresas que pagam pelo resgate mais que dobrou em relação ao ano passado

O número de empresas, organizações e instituições que optam por pagar pelo resgate em casos de ataque de ransomware aumentou, segundo o estudo 2019 Global Security Attitude Survey publicado pela CrowdStrike, empresa americana de segurança digital. O aumento pode ser justificado pelo crescimento no número de ataques de ransomware deste ano.

Quando uma empresa sofre um ataque de ransomware, normalmente sua rede de computadores é acessada e os dados armazenados nas máquinas são criptografados. Os criminosos exigem, então, um resgate em criptomoedas para devolver o acesso aos dados. Entretanto, não há garantias de que - após o pagamento - os dados sejam liberados. Mesmo assim, como conclui o estudo, o número de empresas que resolvem pagar aumentou.

De acordo com o estudo, o número total de organizações em todo o mundo que pagaram o resgate após serem vítimas de um ataque ransomware foi maior que o dobro em relação a 2018, passando de 14% para 39%. A região que mais pagou por resgates de ransomware foi o Reino Unido com 28%, o dobro do ano anterior, que terminou com 14%.

Especialistas alertam que quanto mais empresas pagam pelo resgate, mais eficiente esse ataque irá parecer do ponto de vista do cibercriminoso. A recomendação é não pagar por nenhum tipo de extorsão e buscar - o mais rápido possível - a assessoria de empresas de cibersegurança.

Via CIO

comments powered by Disqus